Com o aumento de 50,3% no índice de ruptura, os supermercados brasileiros deixaram de vender o equivalente a R$ 513,2 milhões entre os dias 21/5 e 30/5, quando ocorreu a paralisação dos caminhoneiros e o abastecimento das lojas sofreu seriamente. Os dados são da Neogrid e da Nielsen, que analisam a movimentação em mais de 25 mil pontos de venda em todo o País.

“As indústrias não recebiam insumos para a produção e não conseguiam escoar o que tinham de produtos acabados. Isso afetou diretamente o abastecimento dos varejos, que sofreram com as faltas nas prateleiras”, analisa Robson Munhoz, vice-presidente de operações da Neogrid. O problema se agravou entre os dias 26/5 e 28/5, período em que o varejo desperdiçou R$ 435 milhões em vendas em razão de ruptura. Apenas na segunda-feira (28/5) o setor perdeu R$ 250 milhões. Para Munhoz, com o fim da greve o varejo deve levar 15 dias para que suas gôndolas estejam abastecidas normalmente.

 

Fonte: Supermercado Morderno

Imagem: Freepik