Diretores da ASSURN participaram na manhã desta quarta-feira (24) da Exposição Formal “Instrução Normativa Conjunta – INC 2/2018”, realizada pelo Fórum Estadual de Combate aos Efeitos dos Agrotóxicos na Saúde do Trabalhador, no Meio Ambiente e na Sociedade (Feceagro). O objetivo foi falar da importância da implementação do sistema de rastreabilidade, que atenda a norma, além de discutir a importância da certificação socioambiental.

Durante a Exposição, que aconteceu no auditório do Ministério do Trabalho, em Natal, foi ministrado o curso “Rastreabilidade para Hortifrúti”, baseado na Instrução Normativa.

A Exposição sobre a INC 2 foi feita por Carlos Alexandre Oliveira Gomes, gerente geral substituto de Toxicologia da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). A norma, elaborada pela Secretaria de Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura e pela Anvisa, define como deve ser feito o monitoramento e o controle de resíduos de agrotóxicos por pessoas físicas ou jurídicas, públicas ou privadas, que desenvolvem atividades na cadeia de produtos vegetais frescos, quando destinados ao consumo humano, em todo o território nacional. A rastreabilidade permite detectar a origem e acompanhar a movimentação de um produto ao longo da cadeia produtiva, com elementos informativos e documentais registrados.

Ainda durante o encontro, o representante da PariPassu, Allison Américo Lopes, apresentou um balanço sobre Rastreabilidade e Monitoramento de Alimentos em 2018.

Em seguida, foi elaborado uma proposta de roteiro de inspeções em supermercados a ser aplicado no Estado do Rio Grande do Norte, conduzidas pela coordenadora do Feceagro/RN, Maria Celia Farias.

Finalizando a programação, Tharic Pires Galuchi, do Instituto de Manejo e Certificação Florestal e Agrícola (Imaflora) fez uma exposição sobre a importância da Certificação Socioambiental e da Sociedade no Combate aos Acidentes de Trabalho na Qualidade dos alimentos e na Saúde.

 

*Com informações do MPT/RN