A associação esteve presente em dois dias do evento tratando sobre os desafios da rastreabilidade e sobre as estratégias para o controle de pragas no setor

 

A Associação de Supermercados do Rio Grande do Norte (ASSURN) esteve presente na programação da VIII Semana da Vigilância Sanitária de Natal. Representando a associação, participaram do evento o diretor executivo da RedeMAIS, Eugênio Medeiros, e o médico veterinário e sanitarista do supermercado Nordestão, José Arimatéia.

Com o tema “Vigilância Sanitária: Caminhos de Inclusão, Desenvolvimento Econômico e Segurança Sanitária”, o evento aconteceu de 05 a 09 de agosto, na sede do Sebrae RN, em Natal. Toda a programação durante esse período foi dividida em mesas redondas.

Na terça-feira (06), a ASSURN esteve presente na mesa sobre “Desafios da rastreabilidade para os hortifrútis”, representado pelo supermercadista Eugênio Medeiros, diretor executivo da RedeMAIS. Na ocasião, o palestrante tratou sobre as dificuldades para se cumprir a INC 02/2018, Instrução Normativa Conjunta elaborada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) e o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), em vigor desde o ano passado.

Durante a palestra, Eugênio Medeiros tratou sobre o papel e interesse do setor supermercadista do Rio Grande do Norte em cumprir a norma.  “Os supermercados estão muito empenhados em fazer cumprir esta Instrução Normativa. Há alguma dificuldade porque a rastreabilidade na verdade é uma grande corrente, que começa no produtor, passa pelo varejista e finaliza com o consumidor. Estamos empenhados, sabemos a importância, entendemos que em um breve espaço de tempo estaremos que estar, todos, comprometidos com a rastreabilidade”.

O representante da ASSURN também falou sobre os desafios da rastreabilidade com foco na resistência de adesão por parte dos permissionários da Central de Abastecimento do Rio Grande do Norte (Ceasa). “O principal desafio, na verdade, é fazer com que as pessoas que estão na corrente se comprometam. A gente tem, por exemplo, muitos produtores já entrando no processo de rastreabilidade, mas o grande desafio mesmo, para nós do Rio Grande do Norte, está na Ceasa. A Central é muito importante, muito grande, mas ainda há uma resistência muito grande do permissionário. O percentual de adesão por lá é muito baixo. Eles assinaram uma TAC há quatro ou cinco anos e não estão cumprindo. Talvez até a própria administração atual não saiba disso”, afirma. “Insistimos muito, mas há uma negação muito forte. Convencer e tornar essas pessoas comprometidas com esse tema é nosso maior problema. E falo em compromisso porque, afinal de contas, rastrear é colocar na mesa do consumidor produtos de qualidade, com certificação. É zelar pela saúde de todos nós, inclusive. Se o pequeno produtor está aceitando e participando desse processo é inaceitável que outras cadeias, maiores, não o façam”, acrescenta Eugênio Medeiros.

Já na quinta-feira (08), a ASSURN foi representada pelo médico veterinário e sanitarista do supermercado Nordestão, José Arimatéia. Ele participou da mesa sobre “Estratégias para controle integrado de pragas em Serviços de Alimentação”. O palestrante falou dos desafios que os supermercadistas enfrentam, principalmente as lojas de pequeno porte. Arimatéia destacou em sua apresentação a necessidade do controle contínuo dos ambientes onde os produtos são estocados e expostos, desde o recebimento até as gôndolas. Ele ainda destacou o empenho da ASSURN no incentivo dado a capacitação dos associados nas mais diversas áreas de controle de alimentos.

A Semana da Vigilância Sanitária de Natal é promovida anualmente pela Secretaria Municipal de Saúde (SMS), por intermédio do Departamento de Vigilância em Saúde (DVS).